Rádio Estação Reggae o Melhor do Reggae do Maranhão: Janeiro 2012

STÚDIO PLAY RECORDS

BAIXE AGORA MESMO O CD DO STÚDIO PLAY RECORDS PRODUZIDO PELO CESAR ROBERTO

BAIXAR AQUI O CD COMPLETO

CESAR ROBERTO O GAROTO URBANO NASCIDO EM SÃO LUÍS 3 DE DEZEMBRO DE 1982, SOBRINHO DO FINADO ZÉ ROXINHO DONO DA ÁGUIA DO SOM E SOBRINHO TAMBÉM DO FINADO DINGO DONO D EUMAS DAS PRIMEIRAS RADIOLAS DE SÃO LUÍS SOM DO ZICO, JÁ VENHO DE UMA ORIGEM DE FAMÍLIA FESTEIRA E REGUEIRA,MAS QUE GOSTA DE TODOS OS GÊNEROS MUSICAS, ADORO MUSICA, E MINHA VERDADEIRA PAIXÃO.
CONSIDERO-ME HOJE UM SONOVOX, SOU LOCUTOR, EDITOR DE ÁUDIO E VÍDEOS, E PRODUTOR MUSICAL,NAS HORAS VAGAS CANTO TAMBÉM
COMECEI MEUS TRABALHOS GRAVANDO COMERCIAL PARA RADIO,CARRO DE SOM E BIKE  NA RADIO COMUNITÁRIA CONQUISTA FM EM 1999
ONDE FAZIA PROGRAMAS DE RADIO ONDE FOI NA VERDADE MINHA ESCOLA.
JÁ RECEBI VÁRIOS PRÊMIOS, REVELEI VÁRIOS TALENTOS
E HOJE NÃO SÓ EU COMO MEU STUDIO TEM SIDO UMA REFERENCIA TAMBÉM NO MUNDO ARROCHA AQUI EM SÃO LUIS, POR PRODUZIR TRABALHOS DE QUALIDADES ONDE VÁRIOS BANDAS E CANTORES DE NOMES TEM SE DESTACADO APOS GRAVAÇÕES AQUI NA PLAY RECORDS.
REGGAE E MINHA PAIXÃO MAIS SOU PROFISSIONAL, AS PESSOAS ME PROCURAM PELO MEU TALENTO PELO MEU CARÁTER E PROFISSIONALISMO NUNCA PROCUREI NO MERCADO DA MUSICA SER UM CONCORRENTE, MAS SIM FAZER AMINHA PARTE E FAZER O QUE GOSTO.
A TODOS UM FORTE ABRAÇO
CONTATOS: (98)3275-2759/8841-5996/9154-5660

Antônio José, o Lobo


Como definir uma pessoa que revolucionou o reggae no Maranhão? Talvez não seja uma tarefa fácil, mas podemos resumir em talento, atitude e muita humildade. Não tenha dúvida que esses atributos tornaram um jovem “DJ” em um dos maiores mitos da história do reggae no Maranhão.
Antônio José Pinheiro Silva, o Lobo, como também era conhecido, nasceu no dia 17 de setembro de 1970 em Ariquipar, povoado de Bequimão. Se estivesse vivo, tinha 41 anos de idade. De repente, estaria tocando ao lado dos seus irmãos “Ronald Pinheiro” e “Paulo Henrique” na radiola Estrela do Som.
Seu jeito peculiar de comandar as festas foi fundamental para tamanho reconhecimento dos regueiros da capital. Sua história atravessou gerações, e não é à toa essa grande fama. Ele tinha o dom de envolver o público com a sua sequência – o que poucos conseguem atualmente. Entre suas performances incluíam-se cantorias e improvisos em cima de canções, como por exemplo, “Reggae Machine” de Willie Lindo (conhecida como Menina Linda), “Time” de Akabu e “Djambala” de Dirty Harry & Bobby Ellis. Conseguiu encarar o público de frente, interagiu com as pessoas com o microfone nas mãos. Segundo minhas pesquisas, posso afirmar que boa parte das músicas lançadas por ele são tocadas até hoje nos clubes e casas alternativas de reggae do Brasil!
Antônio José era uma pessoa simples, estava sempre de bem com a vida. Começara bem moleque tocando no Clube Quilombo, tendo como professor o radialista e DJ Tony Tavares – Tocava tudo: Reggae, lambada, discoteca, entre outros gêneros musicais. “Foi um excelente aluno… não tinha problema com ninguém. Ele conseguiu deixar sua marca registrada nos corações da massa regueira”, disse Tony Tavares.
Fatalmente, no dia 17 de setembro, sofreu um acidente automobilístico quando retornava de uma festa. No dia seguinte, o carro do Corpo de Bombeiros percorreu as ruas de São Luís levando-o até o cemitério Jardim da Paz, no Maiobão. Por onde passou, foi saudado por inúmeras pessoas que lhe davam o último adeus. Não era prefeito, jogador de futebol ou artista de TV! Era simplesmente um DJ de reggae; profissão árdua que aos poucos vem sendo reconhecida em São Luís.
De fato, nós DJ’s temos uma pequena herança do querido imortal. Desde sua morte, dezenas de “Antônios” surgiram na “Capital do Reggae”. Seus feitos também foram fundamentais para à construção da nossa identidade como Jamaica Brasileira.
Boas lembranças jamais poderão ser esquecidas… Saudades do Lobo, Antônio José.

Os Melhores DJ's de Reggae do Maranhão



DJ's

1- Carlinhos Tijolada

2- Alexandro

3- Mister Brown
4- Gilson Marley
5- Ronald Pinheiro
6- Jean Holt
7- Paulo Henrique
8- Robertchancoo
9- Dida Washington
10-Chiquinho Pedra
11-Betinho
12-Mister Roots
13-Marlon Brown
14-Mister Brother
15-Edy Marley
16-Gilson Roots
17-Júnior Marley
18-Junior Roots
19-Maico Rasta
20-Gilmar Roots
21-Bacana 

Lista dos melhores DJ`s de Reggae do Maranhão. Os DJ`s de radiola são os comandantes da mesma. Eles colocam as melhores músicas para agitar o público. Para um DJ de reggae fazer sucesso é preciso tocar um reggae novo ou exclusivo que só ele tem. Se o reggae for tocado por outros, deixa de ser novidade e a música perde seu valor, o DJ sempre tem que tocar novidades e exclusivas, para chamar atenção de seu público. Muitos regueiros só vão às festas para ouvir um reggae novo. Se o DJ tocar reggae que tem na praça, é chamado de DJ “couro” e acaba perdendo o público para seu evento e essa lista mostra os melhores DJ`s de Reggae.

As Melhores Radiolas de Reggae de São Luís do Maranhão

RADIOLAS

1- Giga Estrela do Som
2- Black Power Kriptonita
3- Irie FM
4- Super Itamaraty
5- Diamante Negro
6- Fm do Clubão
7- Doce Namorada
8- Águia de Jah
9- FM Natty Nayfson
10-Sonzão do Malaba
11-Palácio Musical
12-Caçulinha do Som
13-Ajax Som
13-Torpedo Musical
14-Music Sistem
15-Águia do Som
17-Cachorrinha do Som
18-Império Musical
19-Black Night 
20-Cia do Som
21-Asa Branca
22-Brasileira Extreme
23-Cat Black
24-Stylo Negro da Vila Sarney Filho
25-Águia Furacão
26-Manchetinha do Som
27-Black Som
28-Master Power
29-5 Estrelas
30-Tunder Maxi Power



Essas são as 30 melhores Radiolas de Reggae de São Luís do Maranhão. Essas Radiolas levam para seus shows grande público e assim são consideradas as melhores Radiolas de Reggae da atualidade. São Luís a capital brasileira do Reggae e também a capital brasileira das Radiolas de Reggae.

As radiolas de reggae são formadas por sistemas colossais de som e contam, em média, com 24 a 36 caixas por conjunto, que é chamado de paredão ou coluna com muita potência contagiam os freqüentadores dos salões de dança. Ela é uma idéia tirada dos sound-systems da Jamaica e modificada pelos maranhenses. As radiolas de reggae movimentam as festas em toda a cidade de São Luís e nos interiores do estado em todos os clubes de reggae.
radiola continua sendo uma fonte de divulgação do reggae no estado e em todo o país. Estima-se que, em São Luís, há mais de oitenta delas, e no Estado haja mais de quatrocentas. A radiola é comandada por DJs que tocam as melhores “pedras” para os regueiros dançarem. No Maranhão atualmente há muitas radiolas que fazem festas, mas existem as preferidas do povo, como por exemplo, a Itamaraty, umaradiola que funciona como se fosse uma empresa e é considerada por muitos, a melhor de todas por ter som de qualidade. Subdivide-se em Itamaraty 1, 2 e 3, ou seja, doze paredões de som. A subdivisão de uma radiola possibilita a participação em vários eventos em um só dia, e, principalmente, a obtenção de maior lucro, seu dono é o deputado federal Pinto Itamaraty, membro do movimento regueiro.     
“As radiolas maranhenses tocam em festa por todo o Brasil, como no estado do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. As festas que as radiolas fazem nesses estados atraem muita gente, na maioria desses públicos, são maranhenses que moram fora do estado do maranhão.” (SILVA, 1995, p. 71).

HISTÓRICO DO TROFÉU REGGAE DE OURO







HISTÓRICO DO TROFÉU REGGAE DE OURO

1998 - Cia do Som
1999 - Estrela do Som
2000 - Itamaraty
2001 - Estrela do Som
2002 - Rebel Lyon
2003 - Rebel Lyon
2004 - Rebel Lyon
2005 - Estrela do Som
2006 - FM Natty Nayfson
2007 - Estrela do Som
2008 - Super Itamaraty
2009 - Super Itamaraty e Musical Neto Discos
2010 - Giga Estrela do Som
2011 - Giga Estrela do Som



Essas são as Radiolas que ganharam o Troféu Reggae de Ouro.  O evento premia a radiola que fez mais sucesso no ano. e a ganhadora do Troféu Reggae de Ouro do ano de 2011 foi a Radiola de Reggae Giga Estrela do Som.

A História do Reggae do Maranhão



A História do Reggae do Maranhão

No início dos anos 60, com a independência da Jamaica, a população local teve a necessidade de criar um ritmo que simbolizasse o novo contexto, então começaram a fazer uma mistura de ritmos que originou o Ska (Ritmo Instrumental Agitado), com ênfase nos instrumentos de metais. Os músicos deste estilo normalmente tinham uma ótima formação musical.



Neste período, a Jamaica vivia em frenesi musical, tendo uma produção intensa. Tentando descobrir novas formas de tocar o ska, os músicos da época transformaram-no num outro ritmo. Surge o Rock Steady, as batidas desaceleraram, houve um cadenciamento do ritmo e a inserção da voz. Pela primeira vez, a música torna-se instrumento de denúncia social. Porém, num verão extremamente quente, sem se saber ao certo quando, tão pouco como, o rock steady sofre alterações. As linhas de baixo são mais definidas, o trio baixo, guitarra e bateria ficam em primeiro plano, a voz permanece, porém não mais como denúncia, e sim com letras de amor, paz e esperança. Surge o reggae. 

A Jamaica é uma nação insular localizada no mar das Caraíbas (mar do Caribe), extensa 234 quilômetros de leste a oeste e 80 quilômetros de norte a sul. Situa-se a cerca 145 quilômetros ao sul de Cuba e a 190 quilômetros a oeste da ilha de Hispaniola (onde se localizam o Haiti e a República Dominicana. É o terceiro país anglófono mais populoso das Américas, superada apenas pelos Estados Unidos e Canadá. Sua capital e maior cidade é Kingston.

O reggae é um estilo musical nascido em uma conhecida ilha do Caribe, a Jamaica. O cantor e compositor Bob Marley é um dos maiores ícones deste ritmo, o mais conhecido em todo lugar, quando se fala em reggae, automaticamente se relaciona Bob Marley ao reggae, eternizado com sucessos como, Three Little Birds, Is This Love e outros. Bob Marley, até mesmo nos dias de hoje, ainda faz sucesso. Amarelo, vermelho e verde simbolizam as cores do reggae. Este estilo musical surgiu nos chamados “bairros de lata” da Jamaica, que se tratavam de bairros da periferia com enormes quantidades de barracões de zinco, como o som do gueto. O reggae foi uma maneira que os negros encontraram para mostrar sua insatisfação com a realidade vivida por eles e manifestar sua revolta com o preconceito sofrido e assim criar forças para mostrar que suas raízes também eram valiosas. Com o reggae vieram ventos de renovação de idéias, atitudes novas surgiram até mesmo no modo de se vestir. 

“O ritmo se divide em três subgêneros: o Reggae Roots (reggae de raízes), o Dancehall Reggae, que é ligado constantemente à religião; e o Reggae Eletrônico, mais recente e ouvido pelos Maranhenses”.

Albuquerque afirma que na cultura popular jamaicana durante os anos de 1940, surgiram os primeiros sistemas de sons: os sound-systems, conhecidos como o berço do reggae, abrindo caminho para a chegada do ritmo. Somente em 1962 eles tornaram-se populares. Como na Jamaica era difícil o acesso das pessoas à musica, os sound-systems levaram a música até as pessoas. 

Um sound-system era composto por uma caminhonete com várias caixas de som, e amplificadores muito potentes. Os sound-systems eram comandados por DJs que tocavam as melhores músicas da época nos bairros da capital jamaicana, Kingston. 

Os donos dos mais poderosos sound-systems da época eram, Dodd e Reid, dois poderosos empresários da época, faziam uma grande disputa para saber quem era o melhor. Reid lançou uma música titulada Miss Jamaica de um garoto que adotou o nome artístico de Jimmy Cliff. Dodd também tinha um garoto de ouro, chamado Robert Nesta Marley, que gravou uma série de compactos para Dodd, o mais famoso deles foi Simmer Down, e mais tarde o garoto passaria a se chamar Bob Marley, o eterno rei do reggae. Marley abriu portas para o novo ritmo e foi com o disco de Bob Marley e Peter Tosh chamado, Catch a Fire, que o ritmo que contagiou a Jamaica passou a se chamar reggae. 

A partir da segunda metade dos anos 1960, o reggae se espalhou pela Jamaica. Ele surgiu de maneira tão intensa que também chegou à Europa e aos Estados Unidos e se espalhou pelo mundo, chegando ao Brasil e conseqüentemente ao Maranhão. 

Conforme Silva (2001) não se sabe bem como o reggae chegou a São Luís do Maranhão. Muitas são as histórias e versões contadas pelos colecionadores, discotecários, donos de radiolas, djs e locutores de rádio. Uma das histórias mais aceitas é que esse estilo musical chegou à capital, São Luís, penetrado em terras maranhenses pelo Porto Itaqui em São Luís, trazida por marinheiros oriundos da Guiana Francesa, que trocavam os discos de vinil com os maranhenses por mercadorias. Outra versão é que no começo dos anos 1970, um apreciador de músicas caribenhas daquela época chamado, Riba Macedo, teria tido acesso a alguns discos de reggae vindos de Belém (estes, por sua vez, contrabandeados da Guiana Francesa) e teria começado a levá-los a festas “regadas” aos sons do Caribe, festas promovidas por donos de radiolas, como “Carne Seca” (José de Ribamar Maurício Costa). 

Os freqüentadores destas festas, mesmo não sabendo o nome daquele ritmo, aprovaram a sua cadência mais vagarosa e já buscavam seus pares no momento em que os “reggaes” eram executados. Dançavam-no de forma similar aos outros ritmos caribenhos, num intenso deslizar de corpos, com movimentos de muita sensualidade. Desta “interferência de passos” nasceu uma das particularidades do reggae maranhense, o dançar agarradinho, e, hoje, “[...] São Luís é o único ou um dos poucos lugares do mundo onde se dança reggae aos pares” 

Dentre tantas histórias, o que se extrai de mais importante é que, esse estilo musical conquistou o Maranhão e com suas batidas lentas, e boas de dançar e curtir o reggae se firmou em terras maranhenses. 

Segundo Silva (1995), o reggae chegou a São Luís, e agradou aos moradores da ilha, principalmente da periferia da capital. O fato do Maranhão possuir grande quantidade de negros assim como a Jamaica, resulta em certa identificação étnica, assim como um gosto comum por ritmos de origem africana. Assim, o reggae caiu nas graças da população maranhense. Os cantores que fizeram sucesso em anos atrás na Jamaica, ainda estão presentes nas festas de reggae de São Luís. Os sucessos que se ouviam antigamente e atualmente na Jamaica, são os mesmos que se ouvem hoje em São Luís, um reggae cadenciado e lento, dançado aos pares nas pistas dos clubes de reggae de todo o estado, por conta dessa adoração pelo ritmo jamaicano. São Luís tornou-se um circuito independente na história do reggae.

“São Luís: trata-se de um mundo à parte, com gírias próprias (Ex: pedras, é um grande sucesso do reggae, uma música que agita a galera nas festas) e ídolos particulares como Eric Donaldson e Gregory Issacs, São Luís é auto-suficiente”. (ALBUQUERQUE, 1997, p. 151).

O não era fácil curtir o ritmo do reggae em São Luis, os donos de radiolas e colecionadores, pagavam quantias muito altas para ter exclusividade sobre um LP, alguns donos de radiolas chegavam a financiar viagens de algumas pessoas para a busca de LPs raros na Jamaica, Holanda e França. O que impulsionou a disputa das radiolas foi a exclusividade sobre os LPs, os donos de radiolas que possuíam LPs com reggaes comoventes e raros ganhavam a preferência dos regueiros, que iam aos bailes em busca de reggaes envolventes e novos, para dançar ou somente para ouvir, e as radiolas possuidoras destes reggaes tinham a preferências dos regueiros que compareciam em grande número nos shows. Esta “[...] capacidade de manter a exclusividade fonográfica garante a alguns proprietários de radiolas a permanecer em evidência junto à comunidade regueira, e, por sua vez, é a comunidade que nesse ranking elege os melhores, independente do tempo de existência da radiola ou do clube.” (Silva, 2001, p.121). 

O reggae não foi o primeiro ritmo a ser tocado pelas radiolas do Maranhão. Antes do reggae elas tocavam outros ritmos caribenhos, tais como a salsa, o merengue e o bolero. Estes ritmos eram dançados nos salões de São Luis e do interior (principalmente da baixada maranhense) até meados dos anos de 1970. Os freqüentadores destes salões de dança mesmo não sabendo o nome daquele ritmo, aprovaram sua cadência mais vagarosa, e já procuravam seus pares no momento em que o discotecário começava a tocar os reggaes. E dançava o reggae de forma parecida aos outros ritmos caribenhos, num intenso deslizar de corpos, com movimentos de muita sensualidade e entrega ao ritmo dançado. Desta maneira de dançar, nasceu uma das particularidades do reggae maranhense, o “dançar agarradinho” e, hoje, “[...] São Luís é o único ou um dos poucos lugares do mundo onde se dança reggae aos pares” (SILVA, 1995, p.25). 

Desta forma, o reggae foi aos poucos se firmando em terras do Maranhão e no gosto musical dos maranhenses, e na década de 80/ começo da década de 90, firmou-se em São Luis como o principal ritmo da periferia da capital, que passou a ser chamada de Jamaica Brasileira ou Capital Brasileira do Reggae, neste momento de grande aceitação deste ritmo por parte da população, as radiolas quase não tocavam mais outro ritmo; sua preferência passou a ser a execução de reggaes que, a partir daquele momento, tornaram-se verdadeiras pedras preciosas (SILVA, 1995, p.53). 

Atualmente o reggae está disponível para download na internet, porém as radiolas ainda buscam os LP’s originais, uma vez que “a essência do reggae maranhense é o chiado da bolachinha” (SILVA, 1995, p. 57).

O reggae no Maranhão é dividido em dois grupos, o mais antigo que veio da Jamaica, chamado de Reggae Roots cantado por grandes ídolos mundiais como Bob Marley, Peter Tosh, Jimmy Cliff, Gregory Isaac e vários outros, caracterizado pelo uso do baixo e da bateria em primeiro plano, deixando os outros instrumentos como acompanhamento secundário. O outro, é o que vem sendo mais pedido e tocado em festa é o reggae eletrônico, o mais recente tipo de reggae que é cantado por cantores locais como Toty, Rosy Valença, Dub Brown, Mr. Clebber, Ricardo Luz e vários outros, que vêm fazendo com que o reggae eletrônico de São Luís ganhe destaque em todo país. O reggae dos cantores maranhenses é caracterizado pelo uso do contrabaixo elétrico e pelo bumbo da bateria, alguns utilizam até o teclado elétrico. Hoje cantores internacionais de reggae moram em São Luis como, Eric Donaldson, Sly Fox, Roney Boy e Bill Campbell que fazem sucesso e são grandes ídolos do reggae Maranhense. 



A exclusividade mantém-se não mais por meio de viagens internacionais, mas pela encomenda de músicas pelos proprietários das radiolas. Com isso, cantores jamaicanos que moram em São Luís, como Norris Colle e Bill Campbell ou mesmo cantores locais como Dub Brown, compõem suas músicas (às vezes até ao gosto da radiola), vendem-nas e um contrato de exclusividade é cumprido; a música só poderá ser executada pela radiola que a encomendou até o lançamento do cd do cantor. Estas encomendas musicais são negociadas a preços astronômicos, e pode-se, certamente, inferir-se por meio deste fato que a posse de exclusividades ainda é a grande vedete do reggae.

O público do Reggae

Segundo Silva (1995), em São Luís existem mais de 100 salões de reggae espalhado em toda capital maranhense, inclusive, em áreas nobres de São Luís. O reggae é freqüentado por todos: negros, brancos, jovens, adultos e pessoas da terceira idade. 

Quando alguém fala do ritmo, os ludovicenses já o relacionam a lazer, alegria, modo de se divertir com os amigos. Em São Luís, quem gosta de reggae é regueiro que busca curtir as melhores pedras. 



Hoje, na capital ludovicense é comum ver uma criança na porta de casa dançando reggae, pois nascem ouvindo o ritmo. O reggae acontece todos os dias em bares, em clubes e salões que apresentam o ritmo como atrativo.



“(...) é possível encontrar diariamente crianças dançando reggae nas ruas ao som dos programas de rádio, no universo regueiro de São Luís não se toca reggae nacional e na falta de entendimento das letras as musicas são apelidadas de melo, os próprios DJs já apresentam as musicas com o nome da melo conhecida” (SILVA, 2001, p.115).